Essa semana um aluno me perguntou o que seriam os “recursos ergogênicos”. Quando expliquei ele se espantou e disse que tudo que descobriu sobre o assunto pesquisando na internet foi referente às popularmente conhecidas BOMBAS (farmacológicos, substâncias químicas que aumentam a performance, e que trazem consequências prejudiciais ao organismo do usuário).

Ao pesquisar na internet também tive esta impressão e faltam informações sobre o que seria de fato “recurso ergogênico” , que vai muito além destas porcarias que acabam com a saúde dos que se acham os “ESPERTÕES”.

Para iniciarmos vamos entender a origem do termo. A palavra ERGOGÊNICO é derivada das palavras gregas ERGO (trabalho) e GEN (produção/criação de) e é comumente definida como melhora da  produção de trabalho. “Recurso ergogenico” pode soar estranho mas é mais simples que parece e está mais presente em nossas vidas do que imaginamos. Os recursos ergongênicos nada mais são que formas de facilitar o trabalho ou fomas de realizar mais trabalho, ou ainda, realizar um determinado trabalho mais rápido com um menor desgaste de energia.

Imagine-se agora realizando as ações abaixo, depois, como seria sem as ferramentas descritas:

Abrir uma garafa de vinho / saca rolhas

Abrir uma lata de leite condensado ou ervilhas / abridor de latas

Trocar a roda de um carro com o pneu furado /chave de rodas e macaco

Trocar uma lâmpada / escada ou banquinho

Fazer cálculos enormes ou folha de pagamento/excel(planilha eletrônica)

Digitar um texto ou artigo como este / word (editor de textos)

Imaginou? Agora imagine executar todas estas ações sem estas ferramentas. Já pensou como seriam os trabalhos de faculdade, colégios e os trabalhos em escritórios sem as teclas de atalho control+ c control+v? Na época da máquina de escrever, se errássemos teríamos de refazer toda aquela página. Esses são alguns exemplos de recursos ergogênicos presentes em nosso cotidiano.

No meio esportivo, diversos recursos ergogênicos têm sido usados em virtude de suas capacidades  de melhorar o desempenho atlético por meio do aumento da potência física, da força mental ou da vantagem mecânica.

Um grande exemplo são os tênis das mais diversas cores, tamanhos, materiais, funções e valores.

Há 15 anos  só existiam tênis que amorteciam. Hoje existe tênis para corrida; tênis para triathlon que também tem corrida em uma de suas modalidades;  tênis para basquete, handbol, caminhada, golfe etc. Atualmente nas corridas e no triathlon tênis que equilibram os tipos de pisadas, conforme segue abaixo. Cada pessoa pisa de uma maneira e por isso alguns modelos de fabricantes prometem e até mesmo corrigem as passadas evitando dores e lesões futuras.

tipo-de-pisada

No ciclismo,  por exemplo, temos evoluções quando falamos de todas as partes e equipamentos. As sapatilhas de ciclismo (próximas figuras) são peças chave para uma pedalada eficiente, aumentando o rendimento do ciclista em aproximadamente 30%. Isso é muuuuuuuuuuuita coisa e além de fazer uma pedalada perfeita, usa todos os músculos da perna. A cada versão e novo modelo que chega ao mercado,  elas ficam mais leves e confortáveis, desta forma, evitando cãimbras e lesões.sapatilha4sapatilha 3

Ainda no ciclismo, temos as roupas sem costuras que proporcionam  conforto, os capacetes mais leves e com novos desenhos que melhoram a aerodinâmica e consequentemente a velocidade e o gasto de energia. Por fim, a bicicleta que hoje é fabricada com aluminio, fibra de carbono e até titânio, o mesmo material usado pela NASA em seus foguetes. Tudo isso para tornar as bicicletas cada vez mais leves e o atleta cada vez mais veloz, mais rápido e menos desgaste.

No Tênis (esporte) as raquetes estão cade vez mais leves, pois são confeccionadas com fibra de carbono. Nisso as jogadas  tornam-se mais rápidas, poupando energia. Os ombros e cotovelos dos atletas têm menos riscos de lesões.

Na musculação, na ginástica local temos também alguns recursos ergogênicos: já se imaginou malhando sem luvas? Sem espelhos? Sem piso emborrachado? Já imaginou fazendo agachamento sem o smith? E sem colchonetes para abdominais ou para amaciar algum aparelho? Sem relógios para marcar o tempo de pausa entre os set’s? E o professor ou colega da academia que dá aquela “bola” nas últimas repetições? Sem ar condicionado ou sem ventilador? Tudo isso é considerado recurso ergogênico. Ainda vale dizer que existem os recursos ergogênicos endógenos: BCAA, vitaminas e os mais diversos suplementos, além das drogas, mas isso é assunto para um outro artigo.

Um grande abraço e até o próximo!

Retweet this post